CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS




Calouros de Medicina participam de simulação de atendimento pré-hospitalar

13-08-2019

O Grande Acidente, a primeira atividade prática para os estudantes do primeiro período do curso de Medicina do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso), aconteceu no dia 9 de agosto em uma via movimentada da cidade: o trecho da Rua Augusto do Amaral Peixoto, em frente à Praça Nilo Peçanha, no Alto. 

A atividade contou com a participação do 16º Grupamento do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ), que realizou uma operação simulada com múltiplas vítimas e com um automóvel que pegou fogo. Foi utilizado o método de atendimento e de combate a incêndio. A simulação também teve a parceria da Guarda Municipal e da Polícia Militar.

Metodologia ativa

O curso de Medicina do Unifeso é estruturado em metodologias ativas de ensino-aprendizagem pela técnica da ABP - Aprendizagem Baseada em Problemas. A metodologia estimula no aluno a capacidade de trabalhar em equipe, de ouvir outras opiniões, e o induz a assumir o protagonismo e a responsabilidade pelo aprendizado. Para isso, os estudantes vivenciam muitas atividades na prática, como o Grande Acidente, de cunho pedagógico, que integra o conteúdo curricular de atendimento pré-hospitalar. 



Na atividade, os calouros são surpreendidos com uma situação de emergência com diferentes casos clínicos e eles entram na simulação com o papel de realizar o primeiro atendimento aos acidentados. As ‘vítimas’, por sua vez, são interpretadas pelos veteranos do curso. As reações, abordagens, condutas e todo o cenário é filmado. O conteúdo é utilizado, ao longo do período, para demonstrar aos novatos como reagir e se comportar corretamente nestas situações. 

Carolina Bonfim Mayser Roca, aluna do 2º período do curso de Medicina, lembra como foi participar do Grande Acidente quando entrou na faculdade, no início deste ano. “Tive que socorrer uma grávida, mas não sabia como. Tentamos fazer o máximo possível para ajudar, mas não temos noção de nada. Fiquei completamente perdida! Acho esta dinâmica muito importante para nos dar noção do que vamos encarar no curso e na profissão”, disse a estudante, que era uma das vítimas da simulação para os calouros do segundo semestre.



Futuros acadêmicos de Medicina estavam presentes

Um grande público parou para assistir à encenação, inclusive grupos de estudantes do Ensino Médio do Centro Educacional Serra dos Órgãos (Ceso) e do Pensi. Bernardo Santos da Cunha, estudante do 3º ano do Pensi, estava tão empolgado que se voluntariou para ser uma das vítimas da simulação. Recebeu orientações do professor de teatro e foi com a equipe fazer maquiagem. “Me voluntariei, pois pretendo fazer Medicina, e estes projetos são muito legais. Eu não sei o que é ser médico, então, participar de simulações como esta instiga a gente”, contou. 

Por Juliana Lila